Saltar os Menus

Notícias

13 de Janeiro de 2017

Documento do mês de janeiro de 2017

O documento que destacamos no mês de janeiro é o Processo de habilitação de D. Sebastião de Andrade Pessanha.

Faz hoje 300 anos que D. Sebastião de Andrade Pessanha, eborense de coração, iniciou funções como Governador da Índia Portuguesa.

  1. Sebastião de Andrade Pessanha licenciou-se na Universidade de Coimbra, foi Deputado do Santo Ofício da Inquisição, Arcebispo Primaz de Goa (1716-1720) e Governador da Índia Portuguesa (13 de Janeiro a 16 de outubro de 1717).
  2. Sebastião de Andrade Pessanha era filho de Diogo Pessanha Falcão, natural de Évora, e de D. Luísa Antónia de Andrade, natural de Lisboa. A maior parte das citações existentes sobre a sua naturalidade referem ser natural da cidade de Évora e a data de nascimento não se encontra explicita, o que nos despertou a curiosidade para investigar um pouco sobre tão ilustre eborense.

Procedemos à pesquisa do seu batismo entre os anos de 1668 a 1678 em todas as paróquias da cidade, exceto na de São Tiago porque não se possui livros entre 1654 e 1689, e não se encontrou o registo. Tudo indicava que teria nascido e sido batizado entre 1670 e 1676 na freguesia de São Tiago de Évora, até porque um tio paterno havia sido prior da dita igreja. Mas a incerteza persistia.

Depois procedemos minuciosamente à leitura do processo de habilitação para ordens menores e sacras (1698-1716) que nos permitiu desvendar o enigma da sua naturalidade e da data do seu nascimento.

Nos requerimentos que Sebastião de Andrade Pessanha fez para se habilitar, refere ser natural da cidade de Évora (o mesmo acontece no processo para Deputado do Santo Ofício da Inquisição disponível no site do Arquivo Nacional Torre do Tombo). Nas inquirições que se fizeram em Évora, sobre a pureza de sangue do ordinando e dos seus ascendentes, as pessoas inquiridas, “pessoas antigas, fidedignas e cristãos velhos”, mencionaram sempre que o ordinando era natural da dita cidade.

Quando se habilita à ordem de subdiácono, no ano de 1703, requer uma certidão de nascimento e na mesma fica então esclarecida a questão que nos levantou tanta curiosidade.

Sebastião de Andrade Pessanha era natural da cidade de Lisboa e foi batizado na Igreja de Santa Engrácia a 7 de janeiro de 1673. Possivelmente, terá vindo de tenra idade para a cidade de Évora, onde viveu durante a sua infância e adolescência, e de onde eram naturais o seu pai e os avós paternos. Seria esse o motivo que o levava a afirmar que era natural de Évora e da justificação para as testemunhas nas inquirições “de genere” o reconhecerem como conterrâneo.

Disponibilizamos alguns documentos pertencentes ao processo de habilitação: o requerimento para se habilitar para ordens menores; o requerimento da certidão de nascimento, no qual consta a mesma; o requerimento do já então Arcebispo Primaz do Oriente, em 1716, para lhe aceitarem o Breve de “extra tempora”, passado pelo Núncio Apostólico, para se habilitar de diácono e presbítero, e no qual já refere ser natural de Lisboa.

Cota: Câmara Eclesiástica de Évora, Habilitações a ordens, Ordens de epístola, cx. 18, doc. 168

124

5

Esta notícia foi publicada em 13 de Janeiro de 2017 e foi arquivada em: Documento do mês.

Comente esta notícia